OPINIÃO: EM CONSEQUÊNCIA DE “ERROS” DO GOVERNO, INFLAÇÃO BRASILEIRA EXPLODE E FICA ENTRE AS MAIS ALTAS DO PLANETA

Posted by

A inflação medida pelo IPCA, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, bateu recorde em fevereiro, com alta de 1,01%.

Por: Wanderley Parizotto

A inflação medida pelo IPCA ( Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) bateu recorde em fevereiro, com alta de 1,01%. É a maior variação no mês desde 2015, segundo dados do IBGE.

O acumulado em 12 meses chegou a 10,54%, colocando o  país no triste posto de ter uma das maiores inflações do mundo, ficando atrás da Venezuela, Argentina, Turquia e Estônia.

O índice foi puxado principalmente pelos preços de alimentos, combustíveis  e gastos com educação. O mega aumento de preços de combustíveis divulgado ontem, 10, ainda não se refletiu na inflação, isto ocorrerá a partir deste mês.

O recorde da inflação reflete o fracasso total da política ANTIINFLACIONÁRIA  do Governo.

Os recorrentes aumentos da taxa básica de juros (SELIC), promovidos pelo governo para combater a inflação, formam um erro grotesco,  a não ser que sejam feitos para beneficiar o mercado financeiro ( e isto é bem possível).

Contudo, inflação não é a doença e, sim,  sintoma. É a ‘febre’ causada pela infecção.  A inflação significa redução de poder compra, isto é, o ‘real’ passa a valer menos. Com a mesma quantia de dinheiro, o que era possível ser comprado ainda ontem, agora não é mais…

Ela é causada por desajuste na economia e este desajuste pode ter diversas causas.

A mais normal: economia crescendo muito, situação de pleno emprego,  procura por produtos e serviços superiores à oferta dos mesmos, causando aumento de preços, gerando inflação. Neste caso o ‘remédio’ indicado é reduzir a atividade econômica aumentando juros.

Mas este não é, atualmente, o caso do Brasil, pois nossa economia não cresce. O crescimento do PIB em 2021 ( 4,6%)  simplesmente repôs o decréscimo ocorrido em 2020 ( 3,9%). Isto é, o crescimento econômico do país foi quase zero. O desemprego é enorme e o  consumidor só está comprando o necessário, quando consegue.

Estamos vivendo o que se chama de estagflação, economia estagnada e inflação alta.

Neste quadro, aumentar os juros serve para realimentar a inflação e não para combatê-la.

A atual inflação brasileira é consequência da desarticulação de setores econômicos ( em razão da crise), da taxa de câmbio (valor do dólar, muito elevado), do aumento dos combustíveis e energia ocorridos em 2021.

Não adianta aumentar juros. Pelo contrário. A cada 1% que a SELIC sobe, a dívida pública brasileira cresce R$ 60 bilhões ao ano ( quem ganha é o mercado financeiro), bem como onera os custos das empresas, causando aumento de preços de produtos e serviços e gerando mais inflação.

O combate da inflação passa por rever a política de preços da Petrobrás, redução do valor do dólar e voltar a crescer. Não há outro caminho, a taxa de câmbio está alta em razão da insegurança política e econômica que os senhores  Jair e Guedes colocaram o país. O preço do dólar está alto, porque diante das incertezas, quem pode se protege comprando a moeda americana. Como tem mais procura por dólar do que a oferta, seu preço sobe.

Para o país voltar a crescer, de forma consistente, precisa haver investimentos públicos. Bons investimentos. Em infraestrutura, fontes de energia, habitação, escolas/educação e etc. O país precisa de muita coisa. Somente o investimento público dinamizará a economia, atrairá investimentos privados e reduzirá o desemprego. Isso faz parte da história mundial. Não há outro caminho.

Claro que esta análise é bem simplificada. Mas reflete a realidade. Aumentar juros, neste momento, significa aumentar a pobreza e enriquecer ainda mais os bancos.

 

Esta abordagem da realidade brasileira, corajosa e consciente, você só verá aqui no Portal Plena. Nós acreditamos que informação de qualidade é a base de uma sociedade melhor para TODOS. Compartilhe nossas publicações. Nós agradecemos!

 

 

Deixe um comentário