Beleza & Maturidade: acompanhe histórias de mulheres que estão envelhecendo lindamente…

Em primeiro lugar: quem foi que disse que para ser bela é preciso que uma mulher seja jovem?

Quem determinou que a partir de certa idade, as mulheres deveriam se contentar em serem apenas boas mães e esposas ou profissionais competentes ou o que quer que seja? E que a feminilidade deveria ser deixada de lado? E que elas não poderiam mais ousar se sentirem bonitas e sedutoras?

Ana Claudia Vargas

Pois é, não se sabe de onde surgiu  essa ideia errônea e ultrapassada, mas sabemos que hoje, ela não faz mais sentido algum.

Se o mundo está de ponta cabeça, se há tantas notícias estranhas e ruins atravessando nosso cotidiano, ainda há _ felizmente _ notícias boas, coisas boas acontecendo e uma delas, é sem dúvida, o fato de que um novo tipo de maturidade feminina está em plena evolução.

E este novo tipo ou esta nova visão da maturidade está senda construída com amor e coragem por belas mulheres que não têm nenhum problema em declararem suas idades.

E estas mulheres que por acaso, são hoje modelos, estarão aqui no Portal Plena contando suas histórias de vida. Se você pensa, por exemplo, que elas são modelos há anos e envelheceram na profissão, se engana.

Muitas começaram a ‘modelar’ na maturidade, depois dos 40 anos. Todas têm histórias de vida interessantíssimas e o que elas nos contam faz com que a beleza adquira uma luminosidade que foi determinada pelas vivências de cada uma.

Acompanhe aqui no Plena as histórias destas mulheres bonitas e maduras que não têm medo da velhice porque sabem que suas trajetórias são (e serão) maiores do que qualquer fase da vida.

O tempo aqui será visto com serenidade e como um parceiro. Ficou lá atrás,  perdeu-se na distância em alguma curva dos tantos caminhos percorridos, qualquer tipo de preconceito ou preceito que ‘diga’ que é apenas quando jovem que uma mulher pode ser considerada bonita.

Definitivamente, as histórias destas mulheres comprovam que Beleza e Maturidade são aspectos que se relacionam, se complementam e estão revelando uma nova maneira de enxergar toda a beleza que existe na maturidade feminina.

Kilyane:  autenticidade, alegria e vontade de viver

Nossa primeira entrevista é com a baiana Kilyane Barreto, que hoje, aos 50 anos, é  modelo e faz curso de teatro, mas que em tempos idos,  já serviu ao exército e teve salão de beleza. Servidora pública, formada em Odontologia pela Universidade Federal da Bahia, Kilyane trabalha como dentista atendendo crianças numa unidade básica de saúde.  Apaixonada por futebol (é flamenguista), pela família _ é casada e mãe de dois filhos _  ela também adora viajar e diz que se imagina, futuramente,  “trabalhando nessa área de arte e comunicação, indo pra academia, viajando, dançando, fazendo cursos…”

Liberdade e autenticidade também são lembradas por ela como conquistas que só a maturidade traz…

Veja abaixo a conversa que tivemos com Kilyane.

 Kilyane, de todas as experiências que você viveu profissionalmente, qual foi a mais interessante?

Toda experiência sempre tem a acrescentar, mas servir ao Exército Brasileiro foi um diferencial, uma experiência incrível, pois mesmo sendo tenente dentista, em primeiro lugar era tenente, participava das formaturas, acampamento, instruções militares, desfile da independência, fazia marchas, teste de aptidão física, teste de tiro e exercia a minha profissão de dentista. Foi um grande aprendizado, reforcei a disciplina e a hierarquia que são alicerces nessa instituição, fiz amizades, aprendi que trabalhar em equipe e ter ética é fundamental;  além do enriquecimento profissional adquirido no período.

  Gostaria que você falasse um pouco sobre o aprendizado que guarda de cada uma delas, pois você já trabalhou em profissões bem diferentes. Acredito que tenha muito  o que  nos contar, não é?

Pois é, rsrs… tive consultório odontológico por 21 anos, guardo boas recordações, sou concursada do Governo do Estado (da Bahia)  mas atuo na área administrativa. Também trabalho como servidora municipal na Secretaria de Saúde de Salvador,  numa Unidade Básica de Saúde, onde atendo crianças. E há alguns anos fui sócia de um salão de beleza, gostei muito dessa experiência, como sou vaidosa, foi ótimo porque aprendi a fazer sobrancelha, depilação, unha,  além de administrar o salão.

 Quais as idades dos seus filhos e os nomes deles? E: você é uma mãe mais ‘amiga’ dos filhos ou mais rígida?

Tenho dois filhos: Ana Luiza, 26 anos, formada em Administração de Empresas e Lucas, 20 anos, cursando Engenharia Mecânica. Sou uma mãe mais amiga do que rígida, meus filhos sempre conversam muito comigo sobre todos os assuntos, a minha filha fala que sua melhor amiga sou eu, acho legal essa relação, comentam que parecemos irmãs. Lucas também gosta de trocar ideia comigo, sempre interessado em aprender, aprendo muito com eles também.  Mas quando precisa ser dura, eu sou, sempre fui muito protetora em relação a eles e hoje percebo que deveria ter dado mais independência aos dois.

Você disse que gosta de ler: quais são seus autores preferidos e por quê?

 Já li vários livros de Paulo Coelho, Zíbia Gaspareto, Augusto Cury… Atualmente tenho lido Megan Maxwell e outros autores desse gênero de romances apimentados, como E. L.,  Sylvia Day, Kathryn Harvey.

 Sobre as viagens que fez: quais foram aquelas que você considera inesquecíveis?

Fiz ótimas viagens, adoro viajar em família! E somos fãs de cruzeiros, o nosso primeiro foi em 2006, maravilhoso e divertido. Gostei muito também de Colônia, na Alemanha, cidade em que minha irmã morou, e de lá visitamos lindas cidades, como Bruges, Bruxelas, Luxemburgo, Istambul, Izmir, Dubrovnik… Recentemente fiz outra viagem deliciosa por Lisboa, Barcelona ( fui ver o Barça no Camp nou stadium), Casablanca, Marselha, Gênova e Málaga. Os lugares são importantes mas as companhias são mais ainda. Adoro Campos do Jordão, Gramado, Rio de Janeiro, São Paulo e a minha linda Salvador, temos belíssimas cidades no nosso país. Não posso deixar de falar de Orlando e os parques, viagem que fiz com meus filhos, a alegria e emoção deles foi ímpar. Quero conhecer muitas cidades ainda, a lista é grande, rsrs…

 Sobre a atual fase da maturidade: quantos anos você tinha quando se deu conta de que estava envelhecendo? E lidar com isto foi fácil? Fale da sua experiência.

Sendo bem sincera, ainda não me dei conta, rsrs…fiz 50 anos e me sinto bem, sou muito ativa, acho que não temos que ficar pensando: ‘Ah! Estou ficando velha…”. Nada disso! Vamos nos alimentar bem, fazer atividade física, procedimentos estéticos se tiver vontade e viver o dia a dia.

 Você disse que desfilava quando adolescente, o que a fez enveredar por outros caminhos?

Desfilei com 16 anos poucas vezes, não tenho altura e era muito focada nos estudos, foi por diversão, nunca pensei em levar para o lado profissional.

 E da mesma maneira: o que a fez retomar o antigo sonho de ser modelo?

Eu investi em minha irmã em curso de modelo, na minha filha em aula de canto e em meu filho também como modelo, nada deu certo. Um dia meu cunhado falou pra mim: “você investe em todos, menos em você”  e fiquei com aquilo na cabeça e, como adoro tirar fotos, resolvi escrever pra agência Fifty Models, mandei um book e fui aprovada. Bem, modelo aos 50 não precisa ser tão alta e nem tão magra, tem que se encaixar no perfil solicitado pelo cliente, e esse é bastante variado. Estou realizada por fazer parte dessa agência tão conceituada.

“Sendo bem sincera (…) fiz 50 anos e me sinto bem, sou muito ativa, acho que não temos que ficar pensando: Ah! Estou ficando velha… Nada disso! Vamos nos alimentar bem, fazer atividade física, procedimentos estéticos, se tiver vontade, e viver o dia a dia”.

Sobre o curso de teatro que está fazendo com sua filha: fale sobre essa experiência. Este era um sonho antigo também ou é algo recente?

Há muito tempo gostaria de ter feito  teatro, mas com a vida corrida fui adiando. Resolvi fazer (agora) pra ajudar minha filha a perder a timidez e também pra dar entrada no DRT provisório, que permitirá fazer propaganda. Está sendo interessante e em breve apresentaremos uma peça, vamos ver aonde isso vai dar, o importante é que estamos curtindo.

Você teme a velhice? Como você se imagina no futuro?

Eu temo a velhice sem saúde: física ou mental. Imagino-me aposentada como dentista e trabalhando nessa área de arte e comunicação. Indo pra academia, viajando, dançando, fazendo cursos…

 Você possui um ‘ritual’ de beleza? Quais cuidados você considera indispensáveis além de ir à academia?

Não fumo e nem bebo álcool, não durmo maquiada, bebo 2 litros de água por dia, adoro cremes (pra cada parte do corpo), hidrato os cabelos semanalmente, durmo e acordo cedo.

Pra você maturidade é…

… não se importar com o que os outros pensam, é ter empatia, é ser autêntico, é ter coragem, é perdoar, é não julgar, é autoconhecimento…

“Eu temo a velhice sem saúde: física ou mental…” 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *