Esposa faz post emocionante sobre marido com Alzheimer

Posted by
“É como se suas almas já estivessem ido embora muito tempo antes de morrerem de fato. Por isso, cuidadores, esqueçam mágoas do passado, apenas amem e cuidem com todo amor e paciência do mundo”, diz trecho do texto de Ângela Bergamin, caasda há mais de 40 anos com Carlos

 

Redação Plena

A vida de cuidador de pacientes com Alzheimer é uma verdadeira montanha russa de emoções, dia a dia descobrindo novas facetas da doença. Lidar com o esquecimento e mudança de comportamento do ente querido talvez seja uma das tarefas mais difíceis para quem cuida. 
 
Sempre buscamos compartilhar no Portal Plena relatos e vivências de cuidadores que passam por cada etapa desta doença. O texto de hoje é da Ângela Bergamin, que compartilha a experiência de cuidar do marido com Alzheimer, a quem ela se chama de “meu anjo”.
 
Confira:
 
Resolvi escrever sobre a minha vida e a do meu marido Carlos, mais conhecido como "Berto Bergamin". 
 
Nos casamos no ano de 1972. Tivemos 3 filhos lindos. Hoje todos casados. Eles nos deram 3 netos: 2 meninas e 1 menino. 
 
Éramos uma família muito feliz, ou melhor, somos muito felizes, só que agora com um grande problema, uma doença grave e sem cura atacou o meu amado esposo. Sem dó e nem piedade, aos 63 anos, com uma saúde perfeita e uma vida ativa, meu marido foi diagnosticado com Mal de Alzheimer. Desde esse triste dia, já se passaram 5 anos. 
 
Agora com um pouco mais de experiência, quero dizer pra você que tem alguém em casa com essa terrível doença: NÃO DESANIME. Peça pra que Jesus esteja sempre ao seu lado te protegendo e te ajudando, só assim o fardo se torna mais leve. 
 
Trate o seu doente com muito amor e carinho, olhando pra ele como um anjo do Senhor. O José, o Armando, o Carlos, a Maria… é como se suas almas já estivessem ido embora muito tempo antes de morrerem de fato. Esqueçam mágoas do passado, apenas amem e cuidem com todo amor e paciência do mundo pois somos todos filhos de Deus Pai.
 
O meu marido teve pouco tempo entre lances de lucidez e esquecimento. Mais ou menos dois anos. No dia 07 de janeiro de 2012, ele caiu e não se levantou mais.
 
E hoje, já faz 1 ano e meio que não se movimenta sozinho, do jeito que o colocamos na cama, ele fica. Não se mexe, não fala nenhuma palavra. Um ano e meio sem ouvir a voz do meu amor. 
 
Agora ele é o meu anjo, o anjo que irei amar eternamente.
 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *