Histórias Plenas – Valter Martins nos conta como a Yoga transformou sua vida

Posted by

O professor de Yoga e reeducação alimentar,  Valter de Moraes Martins,  nasceu em Piracicaba, interior de São Paulo, em 1944.  Ele cita como mestre inesquecível nessa que é uma verdadeira filosofia de vida,  o avô, pessoa da qual ele ainda se lembra com todo afeto. Casado há mais de quarenta anos com Herta Verblac Martins, Valter tem uma filha também chamada Herta que, aos 42 anos, além de pedagoga, é dedicada profissionalmente aos cuidados com o corpo: é professora de karatê-dô e kobudô.  Valter que atende em seu consultório na cidade de Carapicuíba, grande São Paulo, nos conta  que um programa de reeducação alimentar envolve, além de um diagnóstico detalhado do paciente, uma avaliação feita por meio de um questionário e, por fim, outro método que procura revelar as questões  psicológicas que geralmente envolvem a má alimentação.   Segundo ele, é comum que a ansiedade esteja na base de uma alimentação inadequada. Mas o processo não termina aí: depois dessa que podemos chamar de ‘primeira etapa’, temos a ‘segunda’ na qual o paciente _ geralmente praticante de Yoga  _ fará uma regressão de memória para, finalmente, descobrir quais são as causas mentais que o levaram a se alimentar de forma incorreta.  A última etapa do processo envolve, finalmente,  um programa de reeducação alimentar baseado numa metodologia específica criada pelo professor.

Aqui no    ‘Histórias Plenas’ de hoje,  Valter Martins nos conta um pouquinho de sua vida e afirma que sua profissão lhe permite, sobretudo, ajudar a quem precisa, algo que  o impulsiona a seguir adiante.

 

Ana Vargas

Uma lembrança da infância…

Minha lembrança inesquecível está relacionada ao  meu avô, Maximiliano Salazar, que era espanhol e mestre em Yoga.  Ele foi meu primeiro professor de Yoga e quem me iniciou nessa verdadeira filosofia de vida na qual  milito até hoje. Foi ele também quem me ensinou a gostar de música clássica e ópera já aos sete anos de idade. Enfim, era um homem sábio e maravilhoso e eu não o esqueço.

 

Uma lembrança da adolescência…

Nessa época eu praticava futebol e durante essa experiência  aprendi o poder do trabalho em conjunto. A 16 anos de idade também  participei da minha primeira luta de boxe e um fato curioso é que o  meu técnico naquele tempo foi Kid Jofre,  pai do então campeão mundial de boxe pesos Galos, Éder Jofre.

 

Aos 40 anos

 

Naquele tempo eu já estava bastante envolvido com os caminhos da Yoga e também já ajudava as pessoas a descobrirem e resolverem seus traumas. Explico: é que além do Hata-Yoga tradicional, também sou há muitos anos, facilitador em regressão de memória, uma técnica que nos ajuda a descobrir  os verdadeiros motivos dos traumas humanos.

 

O tempo mais marcante que vivi foi…

No ano 1964, no primeiro dia desse mês, eu  estava de guarda no paiol de munições do quartel em Cumbica/Guarulhos (SP) quando  eclodiu a revolução.  Naquele momento os oficiais que comandavam o corpo da Guarda do Quartel não sabiam o que fazer nem a decisão certa a  tomar. Aquele foi um dia (e uma madrugada) memorável e de muito aprendizado,  pois,  eu era jovem e vi de perto a indecisão daqueles que deveriam comandar uma situação muito importante e delicada.

 

Uma pessoa da qual me recordo com carinho…

Sem dúvida, é da minha mãe, Maria Aparecida de Moraes Martins, que  criou cinco filhos trabalhando como lavadeira e faxineira para ajudar o meu pai,  Álvaro de Souza Alves Martins, que trabalhava como mestre de obras, a sustentar a nossa família. Apesar das dificuldades, ela nos educou  a partir de dois pilares de sustentação sagrados: o caráter e a honestidade. Enfim, ela foi uma mulher maravilhosa e  digna e um exemplo que me orienta ainda hoje.

 

Uma palavra/imagem que define o presente…

Hoje, aos 71 anos, continuo na  ativa como professor  de Yoga Integral e Reeducação Alimentar e quando olho para trás e vejo o meu caminho, me orgulho da minha trajetória pois  sou um profissional que escolheu ajudar os mais necessitados, tanto psicologicamente, quanto socialmente.

 

O futuro para mim será …

O do entendimento da energia cósmica que a tudo integra: nós humanos temos a nossa individualidade mas ela está unida a fios muito tênues que nos ligam, por sua vez,  a todos os outros seres humanos e ao planeta Terra, portanto somos todos irmãos  mesmo que muitos  não queiram ser.

 

 

Deixe um comentário