Em tempos de inflação alta, ao fazer o supermercado, “eles” valorizam marcas tradicionais, “elas” querem encher a despensa

Posted by
Sondagem do Sincovaga mostra diferenças entre gêneros quando é preciso ajustar o orçamento, devido a aumento de preços e queda no poder de compra
Redação Plena
 
Quando se trata de fazer ajustes no orçamento devido principalmente à elevação dos preços e/ou retração do poder de compra, homens e mulheres agem de forma diferente, como demonstra a mais recente sondagem do Sincovaga (Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de S. Paulo) a respeito do comportamento do consumidor. O levantamento, realizado por instituto de pesquisa independente, ouviu 200 consumidores na capital paulista, entre os dias 1º e 5 de dezembro, sendo 50% do sexo masculino e 50% do sexo feminino.
 
Na substituição de itens, para ambos os sexos, as maiores alterações ocorreram em alimentos, porém, para uma proporção significativamente maior de homens houve mudanças também em higiene e limpeza e mais mulheres abriram mão de bebidas. Esse comportamento parece explicar bem a diferença de prioridades entre homens e mulheres, que não se alterou tanto quanto se imaginava desde a inserção feminina no mercado de trabalho.
 
 No tocante à ação, as mulheres preferem manter a quantidade e os homens, as marcas. As diferenças não são muito relevantes nesse caso, porém mostram também a visão de abastecimento entre os gêneros. Na troca de marcas, as mulheres aceitam mais do que os homens testar marcas desconhecidas. Ou seja, neste caso, querem realmente garantir o volume de abastecimento, pela máxima redução possível de preços, outra diferença significativa entre os gêneros.
 
 
 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *