Estudos apontam que 30% dos casos de Alzheimer poderiam ser evitados

Posted by
 
Boa alimentação, atividade física e nível de escolaridade do paciente podem influenciar

 

Redação Plena

Segundo um relatório mundial, 1,34 milhão de brasileiros têm mal de Alzheimer. Com envelhecimento da população, podemos concluir que o número de casos aumentará progressivamente, correto? Não necessariamente. Pelo menos é o que mostra o Estudo sobre Saúde e Aposentadoria (HRS, na abreviação em inglês), da Universidade de Michigan, em que 20 mil pessoas de 50 anos ou mais são monitoradas, a cada dois anos, desde 1992.
 
Segundo o estudo, o nível de escolaridade e outros fatores podem ajudar a diminuir o risco de desenvolvimento da doença.  O resultado da pesquisa foi apresentado no último sábado, 13, em uma sessão da reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS). Nos Estados Unidos, o recuo da doença entre 2000 e 2010 foi de mais de 20%.
 
Kenneth Langa, de Michigan, informou que a prevalência de Alzheimer em pessoas acima de 65 anos recuou de 11,7% para 9,2%. Uma retração de 21,4%. Contudo, o número absoluto de casos se estabiliza, porque o crescimento do número de idosos compensa a menor proporção deles que desenvolve a demência.
 
Os dados dos EUA coincidem com os do Reino Unido, apresentados na AAAS por Carol Brayne, do Instituto de Saúde Pública da Universidade de Cambridge.
 
Seu grupo repetiu entre 2008 e 2011 a metodologia aplicada em 1989 e 1994 no Estudo sobre Função Cognitiva e Envelhecimento (CFAS, na sigla em inglês) em três áreas (Cambridge, Newcastle e Nottingham). Ao todo, mais de 7.500 pessoas foram examinadas.
 
Os estudos reforçam a conclusão de que não se trata de um experimento errado. Além disso, todas as projeções anteriores previam que o risco de desenvolver Alzheimer iria aumentar com o tempo, e não diminuir.
 
Logo, aparentemente, a doença pode ser evitada ou pelo menos adiada segundo fatores como boa alimentação, atividade física e nível de escolaridade. Segundo Brayne, 30% dos casos de Alzheimer poderiam ser evitados com um melhor controle das condições de saúde dos idosos.
 
 

Deixe um comentário