Testes mostram que novo medicamento pode cortar em cerca de um terço a taxa do avanço do Alzheimer

Posted by
Atualmente, nenhuma substância é capaz de parar a morte de neurônios em decorrência da doença

 

Redação Plena

Cientistas divulgaram os primeiros detalhes de como um novo medicamento que pode retardar o avanço da doença de Alzheimer em suas primeiras fases. Dados da companhia farmacêutica Ely Lilly sugerem que o medicamento, chamado de solanezumab, pode cortar em cerca de um terço a taxa do avanço da demência.
 
As informações foram apresentadas durante uma conferência nos Estados Unidos. Atualmente, não há como parar a morte de neurônios por causa do Alzheimer. Mas, o solanezumab poderá, segundo os cientistas, manter estas células vivas.
 
Este novo medicamento ataca as proteínas deformadas, chamadas amilóides, que se acumulam no cérebro devido ao Alzheimer. Acredita-se que a formação das placas de amilóides entre os neurônios leve ao dano e, depois, à morte da célula.
 
Em 2016 serão divulgados mais resultados dos testes e, então, a comunidade científica saberá se o solanezumab é realmente a evolução no tratamento de Alzheimer esperado por todos, afirmou Clare Walton, gerente de pesquisa da organização Alzheimer's Society.
 

Deixe um comentário