PROTESTE dá cinco dicas para economizar na compra de medicamentos

45% da população adulta têm algum tipo de doença crônica e necessita de remédio de uso contínuo e somente em 2017, os remédios já ficaram, em média, 4,76% mais caros.

Com reajustes acima da inflação, o custo destes produtos pesa cada vez mais sobre o orçamento doméstico e prejudica quem depende de medicamento contínuo e não pode custear as despesas.

Pensando nisso, a PROTESTE, Associação de Consumidores, reuniu cinco dicas importantes para economizar na compra de remédios de uso contínuo ou mesmo eventual. A associação chegou à conclusão que os preços costumam ser mais atraentes em farmácias pertencentes a uma grande rede, se comparados aos das pequenas farmácias de bairro. Mesmo assim, vale sempre fazer uma boa pesquisa e seguir as indicações da Proteste a seguir:

  1. Pesquise bem os preços usando a internet e uma ida às principais farmácias próximas ao trabalho e à residência. Informe ao farmacêutico quando encontrar um produto mais barato no estabelecimento concorrente.  Como a farmácia quer conquistar e fidelizar o cliente, há estratégias para conceder o desconto cobrindo o preço da concorrência. 

2 . Outra forma de poupar é pedir ao médico que, na receita, seja colocado o princípio ativo do remédio, e não o nome comercial. Levar a receita com o princípio ativo, facilita para que o farmacêutico, ou o atendente, ofereça opções fabricadas por diversos laboratórios, e, consequentemente, com valores variados. A diferença de preço de um remédio com o mesmo princípio ativo fabricado por laboratórios distintos chega a variar de 10% a 15%

3. Verifique se na farmácia escolhida há alguma forma de desconto adicional por meio de programas de fidelidade, ou mediante o fornecimento do CPF e CRM do Médico. Geralmente medicamentos de uso contínuo tem preços mais vantajosos, e vale a pena fazer parte desses programas das próprias redes.

4- Além da pesquisa, existe o programa Farmácia Popular, que oferece remédios aos brasileiros com preços até 90% mais baixos. Vale destacar que não é necessário comprovar renda ou ter utilizado o Sistema Único de Saúde (SUS) para recorrer ao programa. Basta ir a uma farmácia credenciada, apresentar a receita médica e um documento com foto. Remédios de uso contínuo, fórmulas amplamente conhecidas e fabricadas por diversos laboratórios e medicamentos usados para tratar pressão alta, diabetes, anticoncepcionais e antialérgicos contam com grandes descontos por meio do programa. 

5. O Ministério da Saúde disponibiliza remédios gratuitos para diversas doenças nas unidades básicas de saúde (UBS) e muitas prefeituras contam com postos de saúde que usam o mesmo sistema. Nesse caso, também só é necessário apresentar documento e receita médica para retirá-los.

fonte: C4 Comunicação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *