Alzheimer: existe preparo emocional para aceitar a morte de um ente querido?

Posted by

Cuidadores precisam muitas vezes de ajuda psicológica para elaborar as questões pessoais relacionadas ao processo de adoecimento e terminalidade e principalmente do sentimento de inutilidade e vazio que surgirá, pois esse cuidador se sentirá perdido sem ter aquele a quem cuidar.

por Mariana Parizotto

Alguns dos nossos leitores compartilharam suas experiências sobre este doloroso momento. Decidimos dividir com vocês o relato de Marília Becher Bahr, que cuidou da mãe por mais de 22 anos.
“Acompanhei a doença da minha mãe de perto por mais de 22 anos. E então comecei a ter aquela intuição de que o dia da despedida estava acelerando. Eu comentei em casa que minha Mãe não resistiria muito. Mais 4 dias e o médico colocaria a sonda gástrica. Não deu tempo e foi o meu consolo, pois Mãe “emagreceria” bastante, teria escaras e outras situações muito doloridas a toda minha família que viu de fato as evoluções dos sintomas. Quando falamos em “preparo emocional” é incorrer na aceitação! O preparo para a Morte física se torna um assunto delicado. Depende de cada um. Nos primeiros momentos foi muito difícil porque minha amada fechou definitivamente os olhos para mim, morreu olhando em meus olhos. Depois chegou o choro profundo! Quando as lágrimas terminam, a depressão toma lugar, a ausência daquela pessoa tão querida! Perdoem a sinceridade. Neste decorrer o caminhar depende exclusivamente de cada Cuidador. Meu coração amenizou, consigo falar da filha-mãe sem tristezas. Se eu tivesse que dar uma sugestão: Vivam as etapas do luto. Você sairá fortalecido(a). Por fim,  meu tempo com ela foi cumprido e restaram boas lembranças, saudades.”
O momento de retomar a vida
Segundo a psicóloga Simone Manzaro, depois da morte do paciente, retomar a rotina de vida é tão difícil quanto o luto em si, e esse luto deve ser vivenciado como parte do processo de sua elaboração, e que implica em uma adaptação e reorganização da vida pessoal e da instituição familiar. “É importante o acompanhamento psicológico durante esse dado momento, pois este permite ajudar a lidar com o processo de luto de forma adaptativa. Ajudará na elaboração de questões pessoais relacionadas ao processo de adoecimento e terminalidade e principalmente do sentimento de inutilidade e vazio que surgirá, pois esse cuidador se sentirá perdido sem ter aquele a quem cuidar”, diz a especialista.
Para começar, o cuidador pode tentar coisas novas como:
– Não perder as suas relações sociais;
-Evitar tomar grandes decisões nos primeiros meses;
-Falar sobre o ente querido falecido, se permita expressar sentimentos;
-Sair e conversar, dessa forma partilhamos de nossas preocupações e assim elas ficam menores e isso ajuda o nosso humor, o que faz com que encaremos a vida de outra forma;
-Recomenda-se atividade física, a fim de, controlar sintomas de ansiedade e tensão;
-Acompanhamento psicológico é fundamental.

2 de comentários

  1. Boa tarde estou aqui trancada dentro de um quarto há mais de 8 anos cuidando da mh mãe com Alzheimer, fico triste, choro muito ou as vezes eu entro no banheiro quando estou só e grito um pouco, canto umas músicas com letras que eu mesma faço sobre a doença e o que estou passando vendo minha mãe morrendo aos poucos. Só que estou notando que ela está muito estranha não abre muitos os olhos mais, tem bronquite crônica o que piora mais a situação, estamos na época do frio mas ela está suando muito, muito mesmo e fica muito cansada uso oxigênio quase 24 horas já, acho que está no final da vida mesmo. Sou evangélica gosto muito de música e música romântica isso me faz bem de+++, Deus tem me confortado nas horas escuras da minha vida, só tenho 15 dias de folga durante o ano, se alguém quiser conversar comigo fico muito agradecida me procura no facebook Alda Kerr será bem vinda pois fico muito só obrigada.

    1. Oi Alda, no facebook há vários grupos de pessoas como você que cuidam de parentes que tem Alzheimer. Entre na nossa página no face que você terá acesso a eles. Não fique sozinha, há muita gente como você e é possível trocar experiências e fazer amizades. Um abraço e boa sorte!

Deixe um comentário