Descaso no SUS: cuidadora volta 7 vezes ao hospital para conseguir medicamento para a mãe com Alzheimer

Posted by

São inúmeras as histórias de filhos, netos e parentes de idosos que enfrentam verdadeiras batalhas para conseguir medicamentos garantidos pelo SUS. E os motivos variam: filas intermináveis, falta do remédio, descaso no atendimento, pedidos preenchidos de forma errada pelos médicos, entre outros absurdos

Redação Plena

Uma denúncia em forma de desabafo. Assim é o relato de Eunice Lima em um grupo do Facebook destinado a cuidadores familiares de pacientes com Alzheimer. Infelizmente, o caso dela não é exceção. São inúmeras as histórias de filhos, netos e parentes de idosos que enfrentam verdadeiras batalhas para conseguir medicamentos garantidos pelo SUS. E os motivos variam: filas intermináveis, falta do remédio, descaso no atendimento, pedidos preenchidos de forma errada pelos médicos, entre outros absurdos.

Veja o relato da Eunice, que cuida da mãe com Alzheimer, em Indaiatuba/SP:

Hoje mais uma vez, fui destratada no hospital onde o médico renova o processo para eu pegar a Rivastigmina 3 mg para minha mãe. O neuro dela está de licença médica e para conseguir que outro médico preenchesse os formulários, tive que ir sete vezes ao hospital. A secretária do médico carimbou os papéis e não deu para outro assinar e o processo ficou parado na farmácia de alto custo. A médica saiu de férias e precisei fazer um novo processo por que já tinha o carimbo dela nos laudos. Quando chego à farmácia, a atendente foi conferir e estavam faltando 2 assinaturas de novo!!! O remédio custa R$241,00, a vista com desconto. Desabei, chorei de soluçar. Não basta minha mãe em casa com DA, um calor danado e tudo dando errado? A atendente ficou com tanta pena de mim, que me doou uma caixa do remédio. Chorei pelo descaso, pela falta do remédio para a mãe, pela minha negligência em não conferir as assinaturas

Eunice já fez reclamação na Ouvidoria da Secretaria de Saúde do município, mas ainda não obteve resposta.

Vamos encaminhar esse relato para nosso especialista em direito do consumidor e saúde e em alguns dias publicaremos uma matéria explicando o que os cuidadores podem fazer nesses casos.

Se você viveu algo parecido, mande um e-mail contando sua história para mariana@lyderis.com.br.

Deixe um comentário