Disfunção erétil é ainda um tabu entre os homens, mas existe tratamento para a maioria dos casos

Posted by
A disfunção erétil atinge aproximadamente 6 milhões de homens no Brasil, segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Urologia

 

Redação Plena

 
Disfunção erétil é um tema tabu! Pouco se fala a respeito e quando o assunto vem à tona, dependo do lugar e ocasião, morre ainda no nascedouro. Dificilmente alguém "estica" a conversa. Infelizmente, este quadro se observa em todos os estratos da sociedade. E a razão para este "silêncio" pode ser atribuído basicamente a quatro fatores: medo, vergonha, desinformação e erro de percepção. Individualmente ou somados, estes fatores formam uma barreira que, não raro, impede o homem de buscar logo no aparecimento dos primeiros sintomas o tratamento adequado para conhecer a existência, a causa e a extensão do problema e, da mesma forma, saber das suas possíveis soluções.  
 
É um equivoco pensar que a disfunção erétil é apenas uma questão psicológica ou que afeta somente os homens em idade avançada. Não! O problema pode ter um componente físico e também atingir os jovens. As causas vão muito além das psicológicas. "São várias as causas que levam à disfunção erétil e cada uma pode exigir um tipo específico de tratamento", explica o urologista Wagner Raiter José, membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia e especialista no tratamento da disfunção erétil. "O tratamento da disfunção erétil avançou muito nos últimos anos, não apenas com a chegada ao mercado de novos fármacos, mas, sobretudo, com o surgimento de novas tecnologias", acrescenta.
 
O médico usa dados da Sociedade Brasileira de Urologia para enfatizar as dificuldades dos homens em lidar com o problema. Segundo ele, 95% dos indivíduos com disfunção erétil demoram até 3,5 anos para buscar ajuda médica "São anos de sofrimento desnecessários, pois hoje existe tratamento médico para a maioria dos casos", afirma. "Quanto mais cedo o homem detectar o problema e buscar ajuda médica especializada, mais rápido vai encontrar a solução", assegura.
 
Além da origem psicológica, a disfunção erétil pode também ser causada por doenças como o diabetes, queda dos níveis de  testosterona, doenças vasculares com entupimento das artérias  (aterosclerose), doenças neurológicas como Parkinson, Esclerose Múltipla, Esclerose Lateral Amiotrófica, AVC, lesões traumáticas da medula, além de uso de medicamentos para tratamento de enfermidades como os anti-hipertensivos, antidepressivos, anticonvulsivantes , antipsicóticos, antiandrogênicos, e claro, alcoolismo, tabagismo e drogas. Outras causas também devem ser levadas em consideração, como tratamentos de câncer de próstata em que se pode ter lesão da inervação do pênis ou decorrente de fratura de pênis, ou até doença de Peyronie, uma curvatura acentuada do membro.   "Como se observa, são várias as causas que podem levar à disfunção erétil e para cada uma delas há um tratamento específico para sanar ou pelo menos contornar o problema", afirma o urologista.   
 
De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, existe hoje no País aproximadamente 6 milhões de homens com disfunção erétil. No mundo, o número pode chegar a 300 milhões. "Os homens precisam superar os obstáculos e buscar ajuda médica para fazerem o tratamento adequado. Não há razão para sofrimento e nem demora. Os tratamentos disponíveis são verdadeiramente eficazes", enfatiza o urologista. 
 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *