Envelhecimento ativo: “Estamos entrando na era do bem viver na maturidade”

Posted by
Fernanda Gouveia, psicóloga que já foi presidente da Abraz e coordenou neste ano a primeira Virada da Maturidade, fala da importância de engajar os mais jovens na causa do envelhecimento e incentivar os idosos a se manterem participativos na sociedade, exercitando suas possibilidades

 

por Mariana Parizotto

 
Se antes a associação que fazíamos com longevidade era o envelhecimento saudável, o termo do momento é envelhecimento ativo. Essa mudança de percepção está ocorrendo em várias partes do mundo, inclusive no Brasil. A 1 ª Virada da Maturidade, que aconteceu na cidade de São Paulo em outubro, é resultado deste movimento. O evento reuniu mais de 10 mil pessoas em 150 atividades espalhadas por cerca de 20 locais da cidade paulistana. O objetivo? Colocar o idoso como protagonista. 
 
 “As atividades foram quase que totalmente protagonizadas por eles ou tiveram sempre a participação ativa de idosos. Mostramos nessa primeira virada que o idoso tanto pode aproveitar a vida como inspirar gerações. O sucesso foi tão grande que já conseguimos parceiros e apoiadores para a edição 2016”, conta, orgulhosa, a psicóloga Fernanda Gouveia, uma das idealizadoras do evento.
 
Fernanda tem vasta experiência com o público +60. Já foi presidente da Abraz (Associação Brasileira de Alzhemeir) e hoje coordena diversas ações com foco nos idosos. “Hoje os idosos estão presentes no mercado de trabalho, na mídia, no esporte e vivenciando a inserção digital. Estamos entrando na era do bem viver na maturidade, mas para que todos possam aproveitar é preciso democratizar as possibilidades e oferecer a estas pessoas estímulos para que continuem produzindo, interagindo, criando e trocando experiências”, defende a psicóloga.
 
Segundo a especialista, o envelhecimento ativo é aquele em que o idoso que pode ter um diabetes, uma hipertensão ou algum tipo de doença, mas que isso não o limita em viver de forma ativa. “Quando você consegue proporcionar espaços, não só de saúde, mas onde ele possa ser protagonista de sua própria vida, isso é muito importante. Estamos falando de inserção do idoso em qualquer espaço. Nesta nova faceta do envelhecimento, queremos engajar os mais jovens e incentivar os idosos a se manterem participativos na sociedade, exercitando suas possibilidades. Temos que inspirar positivamente as pessoas sobre este novo paradigma de se viver plenamente todas as fases da vida", finaliza Fernanda.
 

Deixe um comentário