Grace e Frankie ou a incrível arte de encarar a velhice com leveza

Encarar a velhice com bom humor e leveza, rir das situações cotidianas cada vez mais limitantes e seguir em frente do jeito que for possível: esta é a receita das amigas Grace e Frankie para viverem essa fase de suas vidas.

Ana Vargas

Com Jane Fonda (Grace) e Lily Tomlin (Frankie) nos papéis principais,  as histórias oferecem várias possibilidade de entendimento do envelhecer, algo que por si só já é um grande feito quando sabemos que este assunto representa sim, um tabu bem pior do que o da inescapável morte.

Sim, porque a morte é o fim e ponto final (com o perdão da redundância) mas a velhice é o fim que se anuncia lenta e diariamente: um dia é a dor no joelho ou nas costas, no outro é uma tontura inexplicável, em seguida são os esquecimentos e assim por diante, e se não cuidarmos, a vida vira uma teia de lamentações  que contamina tudo e todos.



Pois Grace e Frankie fazem piadas com suas limitações físicas e vão encarando tudo com bom humor.

A gente sabe que a realidade mostrada na série está a anos luz daquela vivida pela maioria dos idosos mundo afora, mas, certas situações são (ou serão) comuns a todos nós que formos ficando neste mundo por mais tempo.

Na cena abaixo, por exemplo, Grace _ que está namorando um ‘jovem’ de mais ou menos 60 anos chamado Nick _ se despe, aos poucos, dos vários artifícios que usa para aparentar menos idade (cílios postiços, apliques no cabelo, maquiagem) porque quer mostrar para ele sua ‘realidade’, como ela bem diz.  Precisamos reconhecer que Jane Fonda, que representa um ‘modelo’ de velhice que já questionamos aqui, construiu sua Grace de forma bastante convincente (pois seu talento é inegável) e vê-la se desfazendo de seus artifícios de beleza é um tapa na cara de quem acha que a velhice só pode ser aceita socialmente desde que  disfarçada com os variados artifícios disponíveis no mercado e claro, para quem pode pagar por eles, óbvio. Ou seja: velhice e pobreza formam uma dupla odiada e desprezível em certos nichos que pregam uma ‘nova visão da velhice’ (ou seria: uma ‘nova’ visão excludente da velhice ?).

Mas voltando a Grace, para entender o contexto da cena abaixo: o episódio em questão se chama ‘Data de Validade’ (nada mais adequado, não é mesmo?) e a mostra em seu esforço diário para estar a altura do ‘jovem’ que está namorando (o ator e gato Peter Gallagher). Esse esforço envolve acordar antes dele para se maquiar e ela, a certa altura, diz  para Frankie que está ficando um pouco cansada dos muitos rituais que é obrigada a fazer para aparentar menos idade.

Na cena mostrada no vídeo abaixo**, o diálogo entre Grace e Nick  é mais ou menos o seguinte:

Gracie  _ Não posso competir com uma mulher mais jovem Nick.

Nick  _ Grace, você não precisa.

Grace _ Você foi honesto comigo, eu lhe devo o mesmo. Eu não posso continuar com isso. Há uma realidade aqui que você não está vendo.

Nick _ De que realidade você está falando?

Grace _ Da minha realidade e de tudo que a acompanha. Depois de ver o que eu sou você vai dar no pé.

Nick_ Quero ver você.

Grace_ Você acha que pode lidar com isso? Pois é isso que vai ter.

E então, ela começa a tirar os cílios postiços, os apliques dos cabelos, retira a maquiagem do rosto (e fica com o rosto de uma pessoa comum, não a Jane Fonda que conhecemos, o que demonstra uma baita coragem), mostra uma faixa sobre o joelho, a bengala… E como se trata de uma série de ficção, ele a beija e a carrega de forma romântica e apaixonada.

E, embora tudo isso seja uma ficção sobre duas idosas ricas “made in USA” Grace e Frankie estão prestando um grande serviço à compreensão do novo velho (ou novo idoso, ou dos 60 + ou seja lá que nome vocês prefiram) pois, independentemente de nacionalidade, classe social e dos ‘apliques’ que vamos agregando ao longo da nossa existência, a velhice chegará para todos, já está aí para muitos, e é algo que deveria ser visto assim, naturalmente, com humor e leveza.

Bem que poderiam fazer algo parecido no Brasil ou com uma ‘cara’ mais nossa…fica aqui registrada nossa sugestão.

Foto de abertura: Melissa Moseley/Netflix

** Sem a  importante colaboração do Edu Martins a postagem deste vídeo não seria possível!

Deixe um comentário