O triste caso de Thereza: a idosa na qual um enfermeiro bateu ‘até cansar’ …

 “Morreu neste domingo (30) Thereza de Jesus Garcia, de 78 anos, que estava internada na UTI do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo….

Ana Claudia Vargas

…A idosa, que se recuperava de uma cirurgia vascular, teria sido agredida por um enfermeiro no último dia 16 dentro do hospital’ . Não, você não está lendo algo inventado, esta notícia é (infelizmente) verdadeira.

 E, além disso, é também revoltante, assustadora e profundamente triste.

Assistir ao vídeo no qual Thereza diz com uma voz fraca, que o enfermeiro bateu nela ‘até cansar’ provoca um sentimento de raiva enorme e nessa hora afloram aquelas perguntas que nos fazemos diante de coisas desse tipo: porque alguém bateria em uma pessoa idosa que está acamada em uma UTI, sendo que esta pessoa é (como se não bastasse) um enfermeiro que está ali exatamente para CUIDAR das pessoas.

Veja: ele não era um qualquer, não era, por exemplo, o segurança ou a camareira: ele é alguém que escolheu CUIDAR das pessoas, por isso estudou enfermagem, optou por esta profissão entre tantas  e, por isso, trabalhava em um hospital, local, por excelência, no qual devem trabalhar pessoas que gostam de cuidar de outras pessoas, certo?

Mas, como vemos, a coisa não é bem por aí. Em todo caso, os fatos estão sendo apurados, e espera-se que a investigação revele os detalhes desta história tão revoltante.

Não queremos reproduzir aqui tamanha barbaridade** e, além do mais,  a imprensa sensacionalista já está fazendo este papel da forma que lhe convém, o que gostaríamos  é que a tristíssima  história da dona Thereza provocasse alguma (ainda que mínima) reflexão em todos nós.

É preciso que as instituições de saúde repensem seus modelos organizacionais, é preciso lembrar que hospitais existem para ‘cuidar’ de pessoas, para tratá-las com carinho. Isso parece demagógico? Se você pensa assim, basta fazer o exercício de se colocar no lugar de Thereza: imagine-se completamente indefeso, acamado, dolorido, entubado e sendo agredido por alguém que está ali, sendo pago, para  CUIDAR de você!

Ou imagine a sua mãe, sua avó ou bisavó; ou simplesmente, imagine uma pessoa da qual você gosta, ali, sendo surrada, sendo espancada por alguém que a agrediu ‘até se cansar’.

Crianças e idosos são as ‘pontas’ mais vulneráveis da sociedade: os primeiros estão chegando ao mundo e, geralmente, gostam de perguntar, são inocentes, inteligentes e espertos e isso pode  irritar adultos desses que gostam de dizer que ‘não gostam de crianças’ (esquecendo-se que já estiveram na condição delas) e as tratam com desdém ou com ódio declarado. E como há, cada vez mais, pessoas assim!

Já os idosos, estes que estão chegando ao final da existência e costumam ser lentos e ‘reclamões’; costumam ainda não ouvirem direito o que falamos e nos obrigam a repetir uma e outra e outra vez a mesma coisa; estes que durante as refeições podem cometer a grande ‘falta de educação’ de fazerem muito barulho ao mastigar irritando ouvidos sensíveis; estes que já não gostam muito de saírem de casa e costumam atrapalhar os programas dos adultos cheios de ideias e novidades… Sim, eles, os idosos, vão ficando cada vez mais distantes das nossas rotinas organizadas de pessoas que trabalham e têm obrigações muito importantes e dias repletos de afazeres nos quais não cabem pessoas reclamonas, lentas e tristonhas. E a atitude deles costuma desestabilizar as vidas dos jovens pais e mães (e também daqueles não tão jovens mas ainda não tão velhos); dos adolescentes e de todos os familiares que custam a esperar o final de semana chegar para correrem para os shoppings ou para onde quer que seja. Pois, e quando tudo já foi decidido (sem que se lembrem de perguntar para eles ‘antes’) e eles dizem ‘não’; o mundo parece desabar. Quem já não vivenciou algo assim?

Mas no final das contas (ou das duas ‘pontas’: a da infância e a da velhice) o que se sabe, por intuição talvez, é que tanto os mais velhos quanto os mais jovens deveriam ser, naturalmente, tratados com carinho. Todos deveriam ser tratados com carinho, mas estes, ainda mais. Mas nossa sociedade está fazendo exatamente o contrário e com louvor: maltrata de forma assustadora, velhos, crianças e todos os indefesos, enfim.

E o pior: parece sentir prazer nisto. Muitas pessoas há que lerão a história de Thereza e não ficarão indignadas e acharão até ‘normal’… (e isso é mais terrível  do que o fato em si).

Para não me estender mais, termino esse texto esperando que se faça justiça em torno do caso de dona Thereza e deixo aqui outra história, na qual a justiça se fez (sim! Ela funciona, quando quem a pratica tem sensibilidade para as dores dos indefesos): trata-se do caso  escabroso da menina M.J*** que após anos de torturas cometidas por seus próprios pais (que deveriam CUIDAR dela), foi finalmente ‘salva’ e está recebendo agora, algo que nunca teve: amor e carinho.

Por fim: que o caso de Thereza não se repita nunca mais, e que a história de M.J seja a primeira das muitas que terão finais felizes.

**Neste link você pode ler a matéria completa sobre o caso da dona Thereza: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/05/01/apos-suspeita-de-agressao-por-enfermeiro-idosa-morre-em-hospital-publico-de-sp.htm

***E aqui  você lê a historia triste mas com final feliz da menina M.J https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2017/05/02/ela-me-batia-porque-eu-a-chamava-de-mae.htm

Imagem de abertura foi divulgada pela família de dona Thereza.

3 comments

  1. Era a “Última Estação” de dona Thereza – como diz o poema de Risomar. Que pena que ela tenha encontrado, enquanto esperava o trem, alguém tão desprovido de amor!
    Não consegui ver a reportagem inteira sobre a agressão porque fiquei com os olhos cheios de lágrimas e o coração cheio de tristeza. Pensei em minha mãe, pensei em todos os idosos que conheço, geralmente tão frágeis…

    1. Mas isto já foi provado de verdade aconteceu isso?!! Por quê uma pessoa faria uma coisa destas?? Nossa….. é uma faca de dois gumes tem que se ter muita certeza para acusar alguém disto….

      1. Olá Paula, os fatos estão sendo investigados. No link da matéria feita pelo UOL há essa informação. De qualquer forma, com o texto eu quis propor uma reflexão para além do que aconteceu com a dona Thereza. A sociedade maltrata os velhos de muitas maneiras, o caso da dona Thereza chamou muito a atenção, mas quantos iguais acontecem ou já aconteceram e sequer ficamos sabendo? Eu espero realmente que isso não seja verdade e que o enfermeiro venha a público esclarecer o que de fato aconteceu. Vamos aguardar…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *