Sim, nós temos um futuro!

Posted by
 

Conversamos com algumas pessoas que já estão na maturidade e que buscam diariamente superar obstáculos internos e externos, subjetivos e objetivos…  Os relatos trazem termos como indiferença, preconceito, dependência financeira, mas também há palavras como universidade, realização de sonho, esporte, dança, bem estar

 

por Mariana Parizotto

 

 
O Brasil não irá envelhecer. Ele já está envelhecendo. Até 2050, quase 30% da nossa população será composta por idosos – hoje, o percentual é de 11,7%. Em pouco mais de 30 anos, a esperança de vida ao nascer em solo brasileiro subirá para 81,2 anos. Com isso, o país alcançará nações como China, Japão e Hong Kong, cuja média atual fica entre 81 e 82 anos.
 
Um país de cabelos grisalhos, com problemas velhos e novos ainda não resolvidos. Nós, vocês, eles… todos – se tudo correr bem – chegarão à maturidade. E o que é viver na maturidade? O que é chegar aos 60? Como será viver na terceira idade por 20, 30 anos?
 
Conversamos com algumas pessoas que já estão vivendo este processo e buscam diariamente superar obstáculos internos e externos, subjetivos e objetivos…  Os relatos trazem termos como indiferença, preconceito, dependência financeira, mas também há palavras como universidade, realização de sonho, esporte, dança, bem estar. 
Com a palavra, os porta-vozes da nova terceira idade:
 
Almerinda Inacio, 72 anos, Sorocaba (SP) – a primeira da foto
 Tenho energia, vontade e total capacidade intelectual. O que mais tenho que provar?Ainda assim, convivo com o preconceito e a indiferença em várias esferas da sociedade. A discriminação no mercado de trabalho é imensa. Eu costumo dizer que não há idade para ser professora de artes, mas mesmo assim perdi uma vaga por causa da minha idade. 
 
Ismael Ferreira, 61 anos, São José dos Campos (SP) – o senhor
Viver com um salário de aposentado é muito difícil. Não dá para pagar um plano de saúde porque quanto mais velho ficamos mais caro fica,e ter que depender do SUS é uma penitência nesse País. Muito tem se falado sobre os idosos e seus direitos, mas facilitar as coisas ai é uma outra história. O idoso pega um metrô e no lugar reservado a ele, tem um jovem sentado e pior é que finge estar dormindo para não dar lugar para o idoso. Quando eu era jovem, respeitar um idoso era o mínimo que podíamos fazer. Onde estes valores foram parar?
 
Maria Izilda Spirito, 61 anos, Jaú (SP) – de óculos amarelos
Manter a sintonia entre corpo e mente é, sem dúvida, um dos maiores problemas. Muitas vezes o corpo não acompanha a mente. Comecei então a fazer caminhadas, corro, faço academia, hidroginástica, aulas de dança, participo de um grupo de fotografia, vou a bailes. Sempre estou em movimento para que meu corpo não enferruje. Tento ao máximo diminuir minhas limitações físicas.
 
Zuleika Saeta, 91 anos, Rio de Janeiro (RJ) – de cabelos vermelhos
O segredo de se viver bem na maturidade é achar o equilíbrio da mente e do corpo. Conseguindo isso, é possível superar os demais desafios. Tenho 91 anos e sinto muita juventude dentro de mim. Mesmo com algumas limitações que eu tenho, uso da perseverança em tudo o que faço.  Comecei a cursar moda aos 87 anos, aprendi a lidar com a tecnologia e me esforço bastante para acompanhar os avanços que me cercam. 
 
Rita Furquim, 56 anos, Sorocaba (SP) – em pleno vôo
Meu maior desejo é não deixar morrer a criança que tenho em mim. E isto significa a vontade de aprender, experimentar, vivenciar, descobrir. Quero fazer tudo isso mesmo depois dos 60.  Recentemente realizei um sonho: saltei de paraquedas. Foi minha forma de gritar “estou viva!”. E é assim que pretendo continuar meu caminho.
 
 
Sonia Martins, 70 anos, Ibiá (MG) – pintando
Muitos acreditam que quando a pessoa se aposenta, ela se torna um zero a esquerda. Somos olhados com " olhos de piedade ",discriminados, principalmente em lugares públicos. Estamos no séc XXl e espero que a nova geração valorize os futuros idosos e que eles se conscientizam de que ENVELHECER é algo natural da vida e que  devemos encarar isto com naturalidade, otimismo e não se deixar abater pelos anos já vividos . Fazer de cada dia, um novo. RE- COMEÇAR ! Encaro a vida, a velhice de forma diferente: sou uma IDOSA JOVEM ,sou vaidosa, amo a vida e, pode acreditar, sinto-me mais feliz AGORA.
 
Lygia Benvenuti, 65 anos, São Paulo (SP), ao lado de Sonia
Além das dificuldades próprias do envelhecimento, como questões de saúde, devemos lembrar do preconceito e da falta de condições ideais  para que esse processo venha com qualidade de vida. Falta à sociedade como um todo, desde a menor partícula que é a família, reconhecer o direito que temos ao protagonismo e decisões próprias que envolvam nossa vida, nosso futuro…sim nós temos FUTURO!
 
Hoje eu enfrento uma dificuldade para voltar ao mercado de trabalho. Aposentada desde 2004 e desligada de uma empresa em maio/2015, sinto-me prejudicada pelo preconceito da idade. Qual seria a outra explicação para não ser chamada ao menos para uma entrevista, já que meu currículo e experiência, considero mais que satisfatórios?
 
Deolinda Maximiano, 64 anos, Maringá (PR) – de óculos escuros
O Brasil não está preparado para cuidar de seus idosos.Leis existem, porém a realidade é bem diferente. Lei da Acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida, por exemplo, vejo calçadas esburacadas,desniveladas,estreitas,consultório médico com degraus sem rampa, no transporte coletivo o acesso não é no nível da calçada, as ruas são mal sinalizadas . E o Estatuto do Idoso? Ele deveria garantir amparo na velhice, mas não o faz.  Sou a cuidadora e mantenedora da mamãe com 91 anos em coma vigil com doença de Alzheimer.Meu filho me ajuda a cuidar dela. Gostaria de poder viver uma velhice em paz,hoje vivo pela Fé. Caso venha falecer antes da mamãe, o que será dela?
 
Regina Célia, 71 anos, São Paulo (SP) – a última foto do mosaíco
O mais difícil é manter o respeito das pessoas que nos cercam. Quando a velhice chega, o que começamos a perder primeiro é a independência, mesmo quando continuamos lúcidos e capazes de fazer muito. A maioria das pessoas olham os problemas do velho, como manha, carência, quando não dizem que o velho é insano, demente, incapaz. Seja na velhice ou na juventude, o poder esta em 3 pilares – 1) beleza. 2) saúde, 3) dinheiro. Quando um destes pilares se quebra, os outros dois caem junto. A sociedade brasileira funciona assim, infelizmente.
 
 

Deixe um comentário